Qualidade do sono é fundamental para uma vida saudável e produtiva

Sono_sem_qualidade.jpg

postado em 11 de Junho de 2019 13h55

O sono tem um papel vital na vida das pessoas. Quem dorme oito horas por dia passa quase três mil horas por ano na cama. “Além de repor a energia gasta durante o dia, é o período em que muitos hormônios são produzidos”, explica o fisioterapeuta Bruno Andrade Costa.

Todo mundo sabe que dormir oito horas por noite é o mínimo de descanso necessário ao corpo. Mas o que muita gente desconhece é a importância da qualidade do sono nessa conta. “Um colchão ou travesseiro ruins podem resultar em problemas de coluna, desconforto, irritação e sensação de cansaço”, explica o especialista. Por isso, preste muita atenção na hora de trocar esses itens. Eles não são simples objetos de decoração.

“Uma noite bem dormida com certeza transforma o nosso dia de forma positiva, repondo a energia do corpo, para que o metabolismo produza de forma eficaz as funções físicas e mentais do indivíduo. Melhora ainda o aprendizado, a memorização, a produtividade e o rendimento em todas atividades, promovendo qualidade de vida! E o contrário disto: o cansaço, deixa a pessoa irritada, ansiosa, e com mal humor, além de interferir negativamente nas relações interpessoais.”

 

Como escolher

Segundo Bruno Costa, para cada pessoa há um modelo diferente. “Peso e altura são importantes na hora da escolha”, orienta. Para o especialista, o colchão ideal é aquele intermediário, classificado como semiortopédico, ou seja, firme e flexível ao mesmo tempo. O modelo deve suportar o peso sem deformar. O travesseiro serve para corrigir a postura, alinhando cabeça e coluna. “Sugiro dormir de lado com a cabeça bem apoiada e alinhada, mantendo assim a coluna reta”, ensina (veja esquema abaixo). Modelos macios são ruins. “Colchão muito mole pode causar problemas principalmente em crianças, pois o esqueleto ainda está em formação”. Outro fator importante é o prazo de validade dos travesseiros.

Indivíduos que preferem deitar na rede passam muito tempo numa única posição, pois não conseguem se virar direito. Além disso, a forma em “V” concentra o peso nos quadris e na lombar, e a única vantagem é a elevação dos pés, o que pode reduzir eventuais inchaços e facilitar a respiração. Dormir no sofá ou em sofá-cama também não é a melhor solução e deve ser temporário, durante um breve cochilo.

 

Sem timidez

Não se deve sentir vergonha de experimentar um colchão novo na loja. É preciso deitar nele, senti-lo nas mais diversas posições e considerar as características individuais de quem vai usá-lo, como tamanho do pescoço, altura do ombro e do quadril. Veja, ainda, se o material não causa nenhum tipo de incômodo, se não se deforma com facilidade e se as bordas não afundam.

 

Travesseiros
O quiropraxista Jason Gilbert explica: “Após a validade, eles passam a hospedar fungos, ácaros e células da pele, aumentando seu peso em mais da metade”. Se seu travesseiro já passou de 12 meses de uso, troque-o. Colchões devem ser renovados a cada cinco anos, a menos que estejam visivelmente deformados.

O travesseiro deve alinhar coluna cervical e tronco, para a saúde da coluna, a boa circulação sanguínea cerebral e um sono tranquilo.

Ao comprar um travesseiro, certifique-se se tem o selo do Inmetro, e, para as pessoas com dores e problemas cervicais, é indicado consultar um ortopedista e/ou fisioterapeuta para melhor orientação.