Cama de 200 mil anos é descoberta em caverna na África do Sul

cama_de_200_mil_anos.jpg

postado em 02 de Setembro de 2020 13h38

Pesquisando em uma profunda caverna conhecida como Border Cave nas Montanhas Lebombo, na África do Sul, a arqueóloga Lyn Wadley, da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, encontrou restos de uma forração de grama que pode ter sido uma cama utilizada por seres humanos há cerca de 200 mil anos.

Conforme uma publicação da Science Magazine na última quinta-feira (13), a descoberta foi feita na região de KwaZulu-Natal, uma rica fonte de artefatos arqueológicos relacionados a humanos da Idade da Pedra.

 

Entrada da Caverna da Fronteira. (Fonte: Lyn Wadley et al./Reprodução)

Colchões da Idade da Pedra

Wadley fez a descoberta enquanto escavava a Caverna da Fronteira em uma manhã com sua equipe. Ao notar manchas brancas na terra marrom do sedimento, "olhei para elas com uma lupa e percebi que eram vestígios de plantas", disse ela.

Os pesquisadores especulam que os moradores da caverna colocavam as camas sobre cinzas para repelir os insetos

Os restos de plantas podem ser uma prova de que os ocupantes da caverna usaram forração de grama como uma espécie de "colchão". Os pesquisadores também especulam que os moradores do local colocavam as camas sobre cinzas para repelir os insetos.

Os pequenos pedaços de sedimento foram cuidadosamente removidos e estabilizados em bolsas de gesso para posterior exame microscópico. Na avaliação mais detalhada ficou comprovado que os achados eram pedaços de uma planta da família das gramíneas Panicoideae, muito comum na região.

Repelente natural de insetos

Descoberta de vestígios de cânfora (Fonte: Lyn Wadley et al./Reprodução)Descoberta de vestígios de cânfora. (Fonte: Lyn Wadley et al./Reprodução)

Para os pesquisadores, o que diferencia a descoberta de meros entulhos são a quantidade e a forma com que foi disposta dentro da caverna. A porção de matéria vegetal indica que os pedaços de planta foram levados deliberadamente para dentro da caverna. Além disso, a forma de colocar os sedimentos em camadas repetidas de plantas e cinzas indica que esses materiais naturais foram utilizados na construção de uma superfície limpa separada do solo.

As cinzas dentro do sedimento continham uma mistura de plantas, ossos e madeira queimados até produzirem um composto crocante. Entre os materiais torrados foram encontradas folhas de cânfora, uma planta aromática capaz de repelir insetos e que pode ter sido adicionada para garantir boas noites de sono.

Para Wadley, a cama da Caverna da Fronteira é uma fascinante espiada na vida na Terra há muito tempo. Veja o vídeo: