Atleta comprova: cama de papelão na Olimpíada resiste ao sexo

9700731.jpeg

postado em 20 de Julho de 2021 16h45

O ginasta Rhys McClenaghan, da Irlanda, usou as redes sociais para provar que uma das histórias que viralizaram às vésperas da abertura das Olimpíadas de Tóquio era falsa: o atleta pulou em uma das camas de papelão reciclado na Vila Olímpica para provar que elas aguentam, sim, o impacto de uma relação sexual. Veja o VÍDEO abaixo:

 

"É fake news!", brincou o ginasta, em um vídeo publicado nas redes.

Em tom de brincadeira, o próprio perfil oficial do Comitê Olímpico Internacional (COI) compartilhou o vídeo de McClenaghan para atestar que as camas são sim feitas de papelão, mas são resistentes.

A "polêmica" começou depois que alguns sites e jornais disseram que as camas eram feitas de papelão para evitar que atletas mantivessem relações sexuais em plena pandemia. Esses veículos acreditaram em outro atleta, que apenas disse que suspeitava dessa motivação para usar o material leve para fabricar os móveis.

Embora seja verdade que os organizadores tentem minimizar o contato entre os participantes dos Jogos Olímpicos — tanto que há protocolos de quarentena e isolamento muito rígidos —, a ideia da cama feita com material reciclável é bem anterior à pandemia e não tem nada a ver com sexo.

Na verdade, desde 2019 o comitê organizador planejava usar papelão, como forma de passar uma mensagem de "Jogos sustentáveis".

(Com informações G1)